Retiro JSF de Quaresma em Santa Catarina da Fonte do Bispo

Os Jovens Sem Fronteiras da região Sul juntaram-se para mais um retiro de Quaresma. Santa Catarina recebeu-nos no fim-de-semana de 6 a 8 de Março.
O retiro iniciou-se com uma oração da noite que nos preparou para o encontro com Ele.
Na manhã de sábado, foi tempo de descobrir Deus nos nossos corações. Como é habitual, iniciámo-lo com uma oração, seguindo-se o primeiro subtema: Encontrar e Conhecer Jesus. Ao almoço, o silêncio reinou de modo a permitir uma melhor reflexão da manhã e uma preparação para a tarde.
Ser cristão é ser testemunha da missão de Jesus no mundo de hoje. Chega assim, a hora de Testemunhar Jesus! Mais uma pequena palestra onde refletimos sobre a importância do testemunho da Palavra. Para que O possamos testemunhar, temos de falar da nossa vida com Ele. Assim sendo, a pares, cada um de nós partilhou a nossa experiência desde o dia do nosso batismo, até aos dias de hoje. Apesar de bons cristãos que somos, na nossa vida temos ações menos boas que necessitam do perdão de Deus, seguiu-se então, o momento da Confissão.
À noite, visualizámos um filme – “Noé”- que mostra a história narrada na Bíblia, do homem justo escolhido por Deus para se salvar, levando a sua família e um casal de cada espécie de animais.
Domingo, dia de Anunciar Jesus. A última palestra do retiro, levou-nos a pensar se realmente estamos conscientes do chamamento de Jesus para anunciá-Lo os outros e se “o fazemos com alegria?”. Para nos ajudar nesta reflexão, nada melhor que ouvi-Lo na Eucaristia.
Chegadas as despedidas, é hora de cada um voltar para a sua casa, com a noção de que “Ser discípulo, significa ter a disposição permanente de levar aos outros o amor de Jesus”.

Cristiana Brito
Jsf Sta Catarina

Retiro JSF de Quaresma, Região Sul no Santuário do Cristo Rei

Img_6669-002_2

Entre os dias 13 a 15 de Março de 2015, os Jovens sem Fronteiras da Região Sul redescobriram a “Alegria do Encontro com Cristo”. O retiro decorreu no Santuário do Cristo Rei em Almada, diocese de Setúbal.

Trazíamos malas e bagagens e uma vontade imensa de abrir o coração e descobrir o que Ele nos tinha para dizer e oferecer nestes dias. Muitos de nós não se conheciam e dentro da mala traziam até algum nervosismo, mas logo ali sentimos que tínhamos Cristo a unir-nos e que podíamos confiar. O início do retiro, com as apresentações de cada um, ajudaram a conhecer os outros participantes e a criar já um laço entre todos. Para orientar o retiro tivemos a graça de ter connosco o Diácono Andrew que pela sua maneira de estar, simples e alegre, deu testemunho vivo deste tema (“Alegria do Encontro com Cristo”). Sugeriu dividir o encontro em três momentos: “Encontrar e Conhecer Jesus”, “Testemunhar Jesus” e “Anunciar Jesus”. Como acontece numa relação de namorados, primeiro encontra-se a pessoa, depois conhece-se e depois ama-se. Criando um ambiente silencioso dentro de cada um de nós (um retiro exige sempre silencio interior, pois só aí, num ambiente de calma, se consegue ouvir Jesus), seguiu-se a oração da noite.

Na manhã seguinte decorreu a primeira reflexão: “Encontrar e Conhecer Jesus”, onde nos foram demonstrados alguns encontros de Jesus com as pessoas. Com base na bíblia vimos alguns exemplos, onde os discípulos eram a figura deste próprio encontro com Jesus. Perguntamo-nos então a nós próprios: “Como nos podemos encontrar com Jesus? Como foi o nosso primeiro encontro com Ele?” De seguida, cada um de nós teve uma reflexão livre e pessoal, sobre este encontro com Jesus, depois da qual participámos na Eucaristia, celebrada pelo Pe. Miguel Ribeiro.
Nessa tarde tivemos a segunda partilha, onde foi abordado o tema “Testemunhar Jesus”. Relembrámos então a necessidade e o dever que cada um de nós tem de testemunhar o Evangelho, pois como cristãos e JSF o testemunho é fundamental. Levar Jesus ao outro nem sempre é fácil e todos nós já experienciámos essa dificuldade. Muitas pessoas não sabem que precisam de Jesus, mas Deus ama-as e quer habitar nelas também. Somos, por definição “discípulos missionários” (e não discípulos e missionários). Como tal, é na missão que testemunhamos esta alegria de O conhecer, é servindo e dando que recebemos e O deixamos viver em nós. Viver anunciando Cristo só é possível quando O anunciamos com alegria. Só assim os que estão à nossa volta O vão querer conhecer e experimentar. Ouvimos exemplos pessoais de quem já esteve fora em missão com o projeto ponte. Após esta reflexão foi-nos dado um momento de reflexão, dois a dois, onde partilhámos com o par o nosso encontro com Jesus, o nosso percurso enquanto cristãos, como, onde e quando vimos Jesus. Todos os participantes consideraram este um dos momentos mais importantes deste retiro, pois nesta partilha mais próxima, sentimos um à-vontade diferente do que se tivesse sido em grande grupo. Depois desta partilha pessoal, seguiram-se confissões. Juntamo-nos em grupo novamente para acabar o dia com adoração ao santíssimo na capela, com a oração do terço em comunhão com os nossos irmãos de todo mundo, como nos foi pedido pelo nosso querido Papa Francisco.
À noite, depois do jantar, visionámos o filme “O filho de Deus” cujo objectivo era perceber este encontro dos discípulos e o povo com Jesus, a dificuldade de reconhece-Lo e segui-Lo.

No Domingo, após a oração da manhã tivemos a última reflexão, “Anunciar Jesus”, onde ficámos a perceber como fazê-lo. Nesta reflexão alguns participantes manifestaram uma grande dificuldade no sentido do anúncio, pois na vida do quotidiano na catequese, na rua, no trabalho, vivemos e temos a experiência de que não há abertura no coração das pessoas a quem tentamos anunciar Jesus. Foi-nos proposto um texto da Bíblia (Lucas 24, 13-35), o encontro na estrada para Emaús, onde os discípulos não reconheceram Jesus. Com um par, refletimos o texto e partilhamos como é que nós nos vimos nas figuras presentes no texto. Muitas vezes não conseguimos reconhecer Jesus nos nossos colegas do trabalho, escola, vizinhos, restantes passageiros dos transportes públicos em que viajamos, nos mendigos, nas testemunhas de Jeová que nos batem à porta… Muitas são as vezes também em que os outros não reconhecem Jesus em nós e sabemo-lo bem. Porque somos preguiçosos, ou não nos esforçamos por ser amorosos ou porque nos desleixamos.
Para encerrar este retiro nada melhor do que terminar com a eucaristia, partindo na alegria de comungar Dele, de fortalecer a nossa fé para O anunciarmos a partir dali.
Num pequeno balanço, cada JSF partilhou a felicidade que foi participar neste retiro, apesar de alguns elementos no princípio pensarem que sairiam defraudados, isso não aconteciam, pois abriram o coração e abriram-se à possibilidade de que Deus nos conhece melhor do que nós a nós mesmos e Ele, melhor do que nós, sabe de que precisamos. Criaram-se laços de amizade entre todos os participantes, pois cada um abriu o seu coração ao próximo e a Jesus.

Cada um saiu renovado e com vontade acrescentada de anunciar Jesus e o Evangelho, de anunciar “A alegria do Encontro com Cristo”, deixando de parte por vezes preguiças, pois ser sal da terra e luz do mundo é ser vivo e anunciar para lá de todas as barreiras que encontramos nos nossos caminhos.

Christopher Santos, Jovens Sem Fronteiras de Fernão Ferro
Joana Maria, Jovens Sem Fronteiras da Portela

Retiro de Silêncio JSF Região Sul

Foto_site_2

O retiro de Silêncio decorreu nos dias 27 e 28 de Fevereiro e 1 de Março e foi no Seminário da Torre d’ Águilha que tomámos mais um passo nesta preparação da Quaresma.
No dia 27 à noite já estávamos todos reunidos. Foi o Pe. Vitor Sousa que nos acolheu e que nos viria a orientar durante todo o retiro.
Depois de cada um se ter apresentado e de termos partilhado sobre o que tinha levado cada um de nós a embarcar nesta aventura, o Pe. Vitor introduziu-nos como tudo iria funcionar: o tempo de silêncio, as horas da refeição, tentando sempre ir ao encontro daquilo que o grupo procurava e daquilo com que cada um se sentisse confortável.
Neste primeiro encontro também conversámos sobre a importância que o silêncio pode ter na aproximação de Deus, na auto – descoberta e até no estar mais atento a tudo o que se passa à nossa volta. Recebíamos assim um convite para re-descobrir o silêncio, a Deus e a nós mesmos.
No Sábado de manhã após o pequeno-almoço fizemos a oração da manhã e iniciámos um tema – Acreditar. Utilizando a sua longa experiência em Taiwan, o Pe Vitor apresentou-nos ao caracter chinês correspondente – 信- e a tudo o que podia significar. Falou-nos de Poullart des Place, da sua história como fundador dos Missionários do Espírito Santo, e da sua vocação, e de como o podemos ter como exemplo de escutar a Palavra de Deus, reconhecê-Lo e entregarmo-nos.
No final do tema, ficámos com algumas propostas de reflexão: “Como ponho em prática o escutar a Palavra de Deus no meu dia-a-dia?”, “Tenho conseguido?”, “Em que é que reconheço Deus na minha vida?”, “Quais as coisas pelas quais estou grato?”
Seguiu-se uma manhã de reflexão em silêncio, sob um sol meio envergonhado, nos jardins calmos da Aguilha.
De tarde, depois de uma boa refeição em grupo, abriu-se um novo tema. Desta vez, o Pe. Vitor falou-nos de esperar- 望 , ter esperança.
Falámos também de Pobreza, de viver como pobre. Conversámos sobre o facto de a pobreza não ser apenas algo a ultrapassar, mas também uma virtude. É essencial para viver em alegria, e anda de mãos dadas com a esperança.
Viver em pobreza é também olhar a vida como um dom e não como uma conquista. Se encaramos a vida como uma conquista, uma posse nossa, vamos querer protege-la, guardá-la para nós para que nada de mal lhe aconteça; porém, se soubermos que a vida é um dom, queremos partilhá-la e dá-la até! Pois tomando consciência disto ela logo deixa de ser nossa.
Depois disto, o Pe Vitor convidou-nos mais uma vez a refletir sobre uma série de pontos: “Qual o meu maior tesouro?”, “Como me relaciono com os pobres?”, “O que é para mim o desprendimento?”
Ao final da tarde celebrou-se a Eucaristia, presidida pelo Pe.Vitor, que sublinhou a importância de nos entregarmos por completo na Eucaristia; existe sempre o objetivo de irmos “limpos” para a Eucaristia, mas se não levarmos connosco e entregarmos as nossas experiências, as nossas feridas, Jesus não poderá sará-las. Assim, cada um tentando à sua medida entregar a Deus todas as suas vivências, celebrámos a Eucaristia ao som de cânticos que cantávamos meio envergonhados, e com um Pai Nosso rezado em chinês! O que podia ser melhor para nos sentirmos em Comunhão com outros Cristãos do outro lado do mundo?
À noite, antes do deitar, o grupo foi presenteado com uma sessão de cinema! O filme escolhido foi Ocean Heaven – a história de um pai viúvo com um filho autista que, ao saber que está gravemente doente e que não lhe resta muito tempo tenta fazer tudo para que o filho não fique sozinho, sem cuidados, pois o pai era a única pessoa na sua família. Porém, esta tarefa revela-se muito difícil.
No terceiro e último dia do nosso retiro, a manhã começou com a palavra “amar” -爱. Com mais um caracter da língua chinesa como suporte, explorámos várias questões: Quantas vezes usamos a palavra vazia, sem significado? Que lugares tomam o sacrifício e o compromisso no amor?
O amor pode aplicar-se à vocação do matrimónio, mas essa não tem de ser a única forma de tornar a nossa vida fecunda e rica. Que formas há para fazê-lo, então?
Colocámos então algumas questões a nós próprios: “Como são as relações com os que amo?”, “Qual é o meu compromisso? Como o vivo?”, O que fazer para que uma relação não perca o seu sabor? Seja essa relação com os outros ou com Deus.”
O retiro terminou com a Eucaristia depois do almoço. Depois disto, cada um rumou ao seu lugar, voltando à algazarra do dia-a-dia, ao barulho e à confusão, mas certamente com alguma paz interior, a paz e a serenidade que só Cristo pode dar quando fazemos um pouco de silêncio para o escutar e o sentir.

Inês Prata e Pedro Pires (JSF Agualva)

Retiro de Quaresma da Região Douro - Lamego

Retiro douro - lamego

Foi com o tema “Abre o coração. Anuncia com alegria!”, que os Jovens Sem Fronteiras da Região Douro se reuniram em Lamego, na Obra Kolping, no fim de semana de 6, 7 e 8 de março, para o retiro de Quaresma. Este retiro teve início na sexta-feira, começando com uma breve apresentação de todos os participantes, momento de conhecer e reencontrar amigos. De seguida, começámos a discutir o tema, a importância de anunciarmos a Alegria do Evangelho e de como o fazer.

No dia seguinte, depois da oração da manhã, refletimos sobre “O que pretendemos de Deus? O que procuramos? Porque O seguimos?”. Chegamos à conclusão que para amar verdadeiramente alguém é necessário conhecê-lo, ou seja, necessitamos de conhecer Jesus, de saber o que nos quer transmitir, o que quer de nós, pois só assim podemos dizer que O amamos realmente.
De tarde, em grupos de campo, estivemos a refletir sobre a “Alegria do Evangelho”, onde aprendemos que “o verdadeiro missionário, que não deixa jamais de ser discípulo, sabe que Jesus caminha com ele, fala com ele, respira com ele, trabalha com ele.” E que “comunicar o Evangelho é contemplá-lo com Amor”. Seguimos para um dos momentos fulcrais do dia, o sacramento da Confissão. Neste tempo de Quaresma, tempo de reflexão e de penitência, pedir perdão a Deus é uma necessidade. Necessidade de fazer um exame de consciência, para assim, estarmos em paz e em comunhão com Deus e para estarmos preparados para celebrar a ressurreição de Jesus Cristo, nosso Salvador. O dia de sábado terminou com a visualização do filme “Para salvar uma vida”, história de um jovem que pensava ter uma vida perfeita, mas que confrontado com a culpa do suicídio do seu amigo de infância sentiu necessidade de respostas. “Será que o podia ter ajudado? O que realmente quero da minha vida?” Para isso, começou a frequentar a igreja, o que mudou a sua maneira de ser, descobrindo a sua fé e inspirando as pessoas à sua volta.

No último dia de retiro, discutimos sobre “O que é celebrar com Jesus?”. Celebrar com Jesus não é mais que festejar, estar alegre, falar, partilhar, estar em sintonia com Deus. E esta “festa” é a Eucaristia! Terminamos o retiro com as “baterias recarregadas”, com o desejo de melhorar enquanto Cristãos, de regressar às nossas casas com novos conhecimentos, ideias e formas de agir sem medo, dando sempre um pouco mais de nós, superando qualquer desafio com o apoio de Deus, sem esquecermos o compromisso de sermos mais missionários, de estarmos mais atentos aos que necessitam e aos que não conhecem Deus, para assim abrirmos o nosso coração e anunciarmos a Alegria do Evangelho!

Samuel Cruz
JSF Vila da Ponte

Atividades de Verão 2015

Caros Jovens Sem Fronteiras,

É oficial, estão abertas as inscrições para as atividades de verão 2015.

Toda a informação e fichas de inscrição nos seguintes links:

Peregrinação a Santiago de Compostela de 5 a 12 de Julho 2015
Intra-Rail Missionário de 24 de Julho a 3 de Agosto
Semanas Missionárias – Agosto de 2015



P’la Coordenação Nacional
Sofia Oliveira

Dia Missionário | Trofa

11054706_10153087459573830_1874611206_o

Nos dias 27 e 28 de fevereiro, a Paróquia da Trofa acolheu os JSF para um fim-de-semana missionário. O encontro começou na sexta-feira com uma catequese dirigida a cerca de 70 jovens do 10 º ano, em plena preparação para o Crisma. Foram abordados dois temas: “Missão” e “Jovens na Igreja”, fazendo, sempre que possível, um paralelismo com a dinâmica e vivência dos Jovens Sem Fronteiras e alertando para os desafios que o Crisma deve despertar em cada crismando.

No sábado o encontro continuou com a Eucaristia das crianças e com uma nova catequese, desta vez destinada ao 5º ano, com o tema da Infância Missionária. De seguida, tivemos a oportunidade de participar na missa dos adolescentes, cuja animação pertenceu aos vários grupos da Região Douro. Na ação de graças houve oportunidade para continuar com o testemunho da passagem da vela realizada do grupo da Trofa para a Foz do Sousa.

Após o jantar partilhado, houve um encontro com os três grupos de jovens da paróquia: Mensageiros, C’fé e os Jovens Sem Fronteiras. A “Alegria do Evangelho” serviu de introdução e formação para o momento que se prolongou depois com a Festa da Primavera que permitiu a confraternização entre os diferentes grupos.

Agradecemos o acolhimento da comunidade presente, bem como do Padre Luciano que nos envolveu e ajudou para dinamizar este dia missionário, mostrando desta forma a importância de continuarmos a ser discípulos de Jesus Cristo.

Diogo Azevedo
JSF Coordenação Douro

Retiro de Quaresma da Região Centro

Sam_1790_opt (2)-cópia

“Abre o coração. Anuncia com Alegria” foi o tema escolhido para os Retiros de Quaresma dos Jovens Sem Fronteiras. No último fim de semana, na Freixianda, os Jovens Sem Fronteiras da região Centro, realizaram o seu retiro quaresmal, com a orientação do Padre Miguel Ribeiro.
Tendo início na sexta- feira, dia 27 de fevereiro, fizemos uma breve apresentação onde refletimos sobre o que nos provoca alegria, diferentes formas da expressar, e como devemos anunciar a Alegria do Evangelho.
Este retiro foi dividido em quatro temas: “Encontrar e Conhecer Jesus”; “Testemunhar Jesus”; “Anunciar Jesus” e “Celebrar Jesus” e durante o mesmo, a Bíblia foi a base para todos os momentos de reflexão e de conversa. Tal como concluímos, sem a Bíblia não podemos anunciar o Evangelho.
No sábado, a manhã foi marcada pelo tema “Encontrar e conhecer Jesus” e com isso fomos desafiados a conhece-Lo através da Bíblia, confrontando ideias e dialogando sobre o assunto.
Como devemos dar a conhecer a palavra do Senhor e como devemos realizar um momento de leitura orante, foi os nossos seguintes passos, com a visualização de um pequeno vídeo e a leitura orante da parábola da pecadora arrependida (Lc7,36-50).
O sábado à noite foi preenchido com a visualização do filme “A vida de Pi”, onde fomos levados pela história de Pi, um rapaz que crê em Deus e que sobreviveu a um naufrágio com um tigre de bengala (ou será que teve esta aventura foi sem o tigre? Esta foi a pergunta que ficou no ar.)
Antes de terminar o retiro, no domingo procuramos saber como devemos anunciar o Evangelho e ficou claro, que para falar sobre Jesus devemos dizer a verdade, tal como está escrito na primeira carta de Pedro “Mas venerai Cristo Senhor nos vossos corações e estai sempre prontos a responder com doçura e respeito” (1 Pedro 3, 13-17)
Sem dúvida, que foi um retiro em que pudemos aprender a estar, a ser e a escutar. Fomos enviados para casa com a certeza que estamos prontos a anunciar Jesus com Alegria.
“Aqueles que recebem a semente em boa terra são os que ouvem a palavra, a recebem, dão fruto e produzem?” E tu, és capaz de ouvir, receber e produzir?

Marisa Alves, JSF Fárrio
Jessica Sousa, JSF Santa Eufémia

Festa Carnaval para as Crianças

11002839_10203846795310706_1902429407_o

Vários foram os disfarces que marcaram mais um carnaval em Santa Catarina. Catorze de Fevereiro, foi dia de mascarar e ir até à Casa do Povo de Santa Catarina, para comemorar o Carnaval na festa organizada pelos Jovens Sem Fronteiras. Num desfile que deu direito a prémios, as crianças, puderam mostrar a todos, a sua máscara. A todos os que participaram e levaram as crianças, muito obrigada!

Cristiana Brito
JSF Santa Catarina

Mini Encontro Regional Sul

Wp_20150207_007_2

“As chaves da missão” foi o tema que os grupos JSF da Benedita, Foz do Arelho e Peniche se interpelaram no Encontro Regional da Região Sul que aconteceu no passado dia 7 de Fevereiro de 2015 na paróquia da Benedita.
Iniciamos o nosso Encontro com a melhor chave que o cristão pode ter – a oração. Nesta oração o padre Miguel levou-nos a refletir sobre a importância de rezarmos ao Pai e sobre algumas responsabilidades que deveremos ter enquanto cristãos.
Depois de uma dinâmica que serviu para quebrar o gelo entre todos, foi dado início ao primeiro tema da tarde “Eu e Jesus – a Chave”. Neste tema, orientado pelo Pedro Mateus, falamos sobre o que é a base da oração e o que nos define enquanto católicos – a nossa relação com Jesus. Deu-se lugar a várias partilhas o que originou um pequeno debate sobre o que é a oração e como podemos rezar. De seguida, fomos divididos por grupos. Cada grupo analisou uma pequena história diferente sobre a oração que depois teve de a apresentar.
No segundo grande tema da tarde “ (Um)a Missão “ , a Raquel Carreira e a Margarida Catarino despertaram-nos para os temas do desenvolvimento e da cooperação falando também um pouco do papel da Solsef e das ONGD no geral. Este tema, preparado pela equipa Sul da Solsef, tinha como objetivo alertar para as desigualdades que existem no mundo. Fomos novamente divididos por grupos. Desta vez a missão de cada grupo seria fazer um cartaz de sensibilização para o combate à pobreza. O principal objetivo desta atividade foi levar-nos a pensar na injusta desigualdade na distribuição de recursos. Este tópico foi o motor de arranque para a continuação da apresentação deste tema, em que a Raquel nos alertou para a profunda diferença entre países ricos e pobres e nos informou sobre o que é que se tem estado a fazer para combater este drama salientando o papel dos ODM.
Seguiu-se a eucaristia presidida pelo padre Miguel, na bonita Igreja da Benedita.
Depois do nosso jantar partilhado ainda houve espaço para debatermos mais um tema “O papel do cristão no mundo”. Aqui todos fomos interpelados para tentarmos procurar o nosso lugar no mundo. O cristão vive em comunidade, é interdependente. Tudo aquilo que fazemos tem uma consequência direta ou indireta no mundo. Para terminarmos esta reflexão fizemos uma pequena dinâmica em que à luz da frase “Qual o papel do cristão no mundo?” meditamos em algumas palavras ou frases que originaram partilhas entre o grupo muito enriquecedoras.
Terminou assim o Encontro Regional da Região Sul, um encontro marcado pela alegria e boa-disposição, de convívio fraterno nesta família JSF. Entre os temas abordados que nos rasgaram horizontes e nos fizeram crescer enquanto cristãos, tivemos a oportunidade de fortalecer laços entre grupos, e de ir ao encontro do Outro de o escutar, conversar, partilhar aquilo que somos. Enfim, viver um pouco o Amor cristão.
Com certeza todos ficaram mais preenchidos da essência de ser JSF e das chaves que temos ao nosso dispor para a nossa missão de levar Jesus a todos os lugares. Venham mais Encontros!

Juliana Gerardo
JSF Benedita

Retiros de Quaresma 2015

Um retiro, mais do que um refúgio, convida-nos à solidão e ao encontro direto com Deus, com os seus projetos e planos para o mundo. Este encontro significa o afastamento da nossa vida normal, permitindo um maior recolhimento à oração e meditação pessoal. Mas o encontro a sós com Deus depende de nós, da nossa vontade, do nosso silêncio ou do nosso “excesso de barulho”… E não devemos ter medo do silêncio!
Encorajamos todos os JSF com alguma caminhada e com mais de um retiro feito a não terem medo de “mergulhar” em águas mais profundas e a participarem num retiro de silêncio. Foi justamente nesse momento de paz que o Senhor mostrou aos discípulos o que eles deveriam anunciar. De (re)lembrar que é na oração que Jesus encontra a sua fonte da ação. Que seja possível a todos os Jovens Sem Fronteiras a alegria dessa descoberta.

Inscreve-te no retiro em que queres participar e avisa o teu animador:

Região Centro
Inscrição: Freixianda: 27-1 de março
Região Sul | Silêncio
Inscrição: Torre da Aguilha: 27-1 de março
Região Douro
Inscrição: Lamego: 6-8 de março
Região Sul
Inscrição: Algarve/Santa Catarina: 6-8 de março
Região Minho/Douro | Silêncio
Inscrição: Silva: 13-15 de março
Região Sul
Inscrição: Cristo Rei: 13-15 de março
Região Minho
Inscrição: Silva: 20-22 de março
Região Douro
Inscrição: Ermesinde: 20-22 de março

lll Encontro InterRegional - Douro/Minho - Lordelo

Dsc_5624

No passado dia 31 de Janeiro de 2015, mais de 80 Jovens Sem Fronteiras reuniram-se em Lordelo para o lll Encontro InterRegional das regiões Douro e Minho. O tema escolhido para o encontro foi “A Chave para a Missão”que permitiu aproximar-nos de Deus através da oração e da partilha de experiências missionárias cá e além-fronteiras.

Começamos o encontro às 9h30 com uma dinâmica de apresentação, seguida da oração inicial, preparada pela Região Minho, onde consideramos que o Amor pode ser, nos dias de hoje, a chave para abrir muitas portas da Missão. O resto da manhã foi igualmente dedicado ao tema do encontro, através do testemunho da Rita Coelho, como missionária por um ano em Itoculo-Moçambique e do João Paulo, seminarista no Pinheiro Manso, falando-nos da vida consagrada, a forma como ele a assumiu, as dificuldades que lhe foram apresentadas e a forma como a vive no seu dia-a-dia.

Da parte da tarde, tivemos a presença da Solsef que nos apresentou o tema “Desigualdade de oportunidades”. De forma dinâmica, cinco grupos debateram e partilharam temas como o analfabetismo, o racismo, a desigualdade entre sexos, a fome e a pobreza na Guiné. Depois disto, seguiram-se as dinâmicas por grupos de campo pela cidade de Lordelo. O lar de idosos Albano Amaral, a ponte Romana, a Torre dos Alcoforados e os Moinhos foram os pontos escolhidos para a partilha de conhecimentos históricos, de alegria com os mais debilitados e de oração com todos. Por fim, tivemos, pelas 17h, a nossa Celebração Eucarística com toda a comunidade, presidida pelo Padre Pedro e auxiliada pelo Padre Hugo e Padre Rui, Pároco de Lordelo.

Desta forma, terminamos este encontro com a sensação que muitas são as chaves que podem abrir a nossa vida para a missão, basta estarmos dispostos a confiar em Deus, acreditar na Sua Palavra e, naquilo que ele nos pode apresentar do outro lado da porta.

Marta Silva
JSF Lordelo

1º ENCONTRO DE FORMAÇÃO PARA A PONTE 2015 – PARÓQUIA DE QUEIMADOS (RIO DE JANEIRO)

Grupo ponte 2015

Jovens alegres e com espírito missionário reuniram-se na Paróquia de Nossa Senhora da Fé do Monte Abraão para o primeiro encontro de preparação para a Ponte 2015. Somos 8 jovens vindos de várias dioceses do país: Braga (Pe. Hugo Ventura – espiritano), Porto (João Paulo Freitas – espiritano), Lamego (Luís Azevedo – Vila da Ponte), Algarve (Adriana Gonçalves e Adriana Cavaco – São Brás de Alportel), Leiria-Fátima (Jessica Sousa – Santa Eufémia), Setúbal (Marlene Veríssimo – Barreiro), Lisboa (Elisabete Ferreira – Monte Abraão). Somos jovens com caminhadas de fé diferentes mas que se juntaram para o mesmo projecto missionário: Ponte 2015 – Paróquia de Nossa Senhora da Conceição dos Queimados, Rio de Janeiro). Foi um fim-de-semana (23-25 de Janeiro) marcado pela oração, formação, partilha, convívio… preparando-nos, assim, para nos pormos a mexer para uma experiência missionária.

Somos Cristãos! Este é o nosso DNA que nos leva a participar neste projeto missionário, em que nos unimos para fazer, ser e construir Ponte com uma comunidade cristã que tem a mesma fé em Jesus Cristo, embora com ritmos diferentes. Somos Missionários! Ser baptizado = ser Missionário! A nossa fé experiência de fé – de alguém que se deixou encontrar por Cristo – nos leva a partir, durante o mês de Agosto, ao encontro das pessoas que acreditam em Jesus, para que juntos possamos aprofundar a nossa fé. É claro que poderíamos fazer o mesmo trabalho/a mesma experiência aqui; mas, partir, obriga-nos a sair da nossa comodidade e do nosso bem-estar para vivermos a alegria do Evangelho, tal como nos convida o nosso Papa Francisco.

Fortes! Chegamos a este nosso primeiro encontro com o entusiasmo de partir. Mas chegamos com várias questões: Para onde? Fazer o quê? Quando? Que perspectivas?…. Tantas perguntas… Quando chegou o fim deste encontro, saímos mais fortalecidos e com mais vontade de partir, comprometendo-nos, ainda mais, neste projeto da Ponte. A presença da Ir. Glória, espiritana, no Sábado à tarde, incentivou para que a nossa missão não fosse encarada como um simples facto de ir levar algo a alguém; mas de levarmos a nós mesmos a partir da nossa experiência de fé, de alguém que se deixou-se “enamorar” por Cristo, tal como aconteceu com a Samaritana. Então o grande desafio deixado por esta irmã foi: que a nossa missão, enquanto jovens, é de levar um testemunho de alguém que fez a experiência de Cristo na sua vida. Joca e a sua esposa partilharam connosco a importância dos leigos na vida e na missão da Igreja. A nossa presença enriquece e dinamiza a Igreja: partir em missão não é fazer uma propaganda mas sermos missionários. Um mandato que nos é exigido desde o dia do nosso Batismo. A partir do nosso Batismo, tornarmo-nos fortes porque celebramos, servimos e anunciamos ao mundo a beleza de alguém que se deixou encontrar com Cristo.

Sábado à noite contamos com a presença de duas pessoas a representar a ponte de 2014 e o presidente da Solsef, Rui Branco. Um momento de formação, em que fomos confrontados com a essência da SOLSEF neste projecto de voluntariado de curta duração. Foi um momento de formação e testemunho do que é ser missionário “lá fora e cá dentro” de Portugal. Testemunho de como é construir um projecto ponte, uma ponte de ligação entre os povos, uma ponte de ligação entre JSF e SOLSEF e uma ponte que cada pontista deve construir para si e para os outros. Ficou o desafio de levarmos até à Paróquia de Nossa Senhora da Conceição dos Queimados a responsabilidade de representar não só a nossa paróquia, a nossa diocese, o movimento JSF e a ONGD que faz o sol nascer para todos. Uma das mensagens mais importantes que poderia ficar deste momento de formação foi: “Oferecerás simplesmente o testemunho de tua fé, de tua esperança e de teu amor” Dom Erwin Kräutler, Bispo do Xingu, sobre o que é ser missionário.

Resumindo este nosso primeiro encontro podemos dizer que fazer ponte não é pregar a nós mesmos, mas ao Senhor pelo nosso testemunho de vida.

João Paulo Freitas e Marlene Veríssimo

Páscoa Missionária 2015

Queres viver uma Semana Santa diferente??

Vê o vídeo e vê o que o P.Tiago tem para te dizer !!

Inscreve-te já no site, faz download da ficha de inscrição e entrega-a ao teu animador!

Peregrinação a Santiago de Compostela'15

Caminho

Um Novo Caminho, o mesmo espírito… Começando no caminho de Celanova e cruzando com o caminho Via da Prata. (Caminho a branco com inicio em Bande)

O que podes encontrar?

É o caminho jacobeu galego de maior distância.
Passa por terras das províncias de Ourense, Pontevedra e A Coruña, atravessando espaços naturais de grande beleza, com um rico património cultural e ecológico. A “Via da Prata” foi traçada nos princípios da Era Cristã aproveitando caminhos mais antigos, como corresponde ao espírito prático dos romanos. O termo “Via da Prata” deriva do sentido etimológico original árabe Bal’latta, com o qual os muçulmanos designaram aquela larga via pública empedrada e de sólido traçado que se encaminhada em direção ao norte cristão.

É um dos caminhos romanos por excelência que, acompanhado por belas paisagens, deixam qualquer peregrino com um novo fôlego para um outro amanhecer.

Inscrição e informações

Faz download da ficha de inscrição e lá podes encontrar todas as informações. Devem entregar a ficha de inscrição aos vossos animadores, para depois estes a entregarem aos coordenadores regionais. Inscrições até à Páscoa, dia 5 de Abril.

Se conhecerem alguém da Família Espiritana, ex-JSF, familiar… que deseje participar na Peregrinação a Santiago façam chegar essa informação à vossa coordenação regional.

P’la Coordenação Nacional,
Sofia Oliveira

Semanas Missionárias'15

Estão oficialmente abertas as inscrições para as Semanas Missionárias de 2015.

Normas a não esquecer:

- Espiríto jovem e missionário;
- Pelo menos um ano de caminhada no grupo de origem;
- Participação num retiro;
- Participação na Peregrinação da Família Espiritana, de 4 a 5 de Agosto, onde se fica a conhecer o grupo e o local onde decorrerá a Semana Missionária;
- Participação na formação propria a realizar por cada região;
- Pagamento de 50€.

Inscrição
Preenche a ficha de inscrição e entrega-a ao teu animador.
A data limite de inscrições é dia 5 de Abril – Páscoa.
Não serão aceites inscrições depois desta data. Por isso, se tens duvidas quanto à tua disponibilidade fala com o coordenador da tua região expondo a situação antes das inscrições encerrarem.

P’la Coordenação Nacional.
Sofia Oliveira